10 mil dólares para quem provar que o aquecimento global não existe

O físico norte-americano Christopher Keating desafiou os céticos a provarem que as mudanças climáticas não existem. Aquele que conseguir o feito ganhará 10 mil dólares como recompensa – valor que sairá do seu próprio bolso.urso polar

Para Keating, o aquecimento global é fenômeno inegável, fruto da ação do homem. Ele não acredita que alguém seja capaz de provar sua inexistência. “Se fosse realmente tão fácil como os negadores afirmam, alguém, em algum lugar, faria isso”.

O físico, que é professor nos Estados Unidos há mais de 20 anos e há 30 anos está envolvido com as causas ambientais, lançou no Amazon o e-book “Inegável: Diálogos para o aquecimento global”. Além da publicação, ele quer levar o debate adiante e é com base nessa certeza que ele lançou, em seu blog, o “Desafio do aquecimento global para céticos”.

Keating chegar a comparar os céticos do clima aos antigos executivos do tabaco, que, para vender seus produtos, afirmavam que havia ligação entre o câncer de pulmão e o tabagismo.

O professor afirma que a única maneira de negar o aquecimento global é negando a própria ciência. “Gases de efeito estufa estão aumentando e os efeitos são evidentes. A Terra está ficando mais quente, o clima está mudando em todos os lugares, os oceanos estão se aquecendo a uma velocidade alarmante e calotas polares estão derretendo. Em todos os lugares há evidências do aquecimento global. Isso não é algo que só vai ocorrer no futuro, está acontecendo agora”, defende.

Para os céticos de plantão, inscrever-se é razoavelmente fácil. Sem taxa de inscrição, é necessário apenas ter mais de 18 anos e ter um método científico para comprovar que a ação humana não é responsável pela degradação ambiental do planeta, saiba mais aqui. Algumas pessoas já se animaram em enviar suas ideias, confira aqui.

Publicado em CicloVivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Social Widgets powered by AB-WebLog.com.