Morando confortavelmente em containers

Com bons exemplos de moradias pipocando por aí, o tabu de morar dentro de um container (sim, os mesmos que transportam cargas pesadíssimas em navios) vai ficando para trás. Além disso, para quem quer sair do aluguel, essa pode ser uma boa pedida, já que a opção pode sair de 20% a 25% mais barata do que construir uma casa de alvenaria.

A impressão é do arquiteto Daniel Corbas, dono da primeira casa de container do Brasil, construída em 2009. “Todos que conhecem os bons exemplos de moradias saem com uma sensação positiva”, garante o profissional formado pela FAU-USP. Hoje, ele tem uma empresa especializada em construções com o material, a Container Box.

Corbas vive com sua esposa e seus animais de estimação em uma casa feita de containers, na Granja Viana, Grande São Paulo. Além de cuidar da empresa, o arquiteto ministra cursos sobre todo o processo que é construir um imóvel do tipo. As aulas são direcionadas a engenheiros, arquitetos e “curiosos interessados em construção”.

Além do custo mais baixo, outra vantagem dos containers está ligada à sustentabilidade – assunto que cativa cada vez mais as novas gerações. Afinal, a ideia é justamente reaproveitar um material que teria um descarte muito difícil. Além disso, a reforma do container não pede materiais de construção: ou seja, a obra é “limpa” e não há desperdício de material, como ocorre com alvenaria.

Cuidados e desvantagens

Justamente por ser um material que não possui um manuseio tão fácil, é essencial pensar bem o projeto da casa antes de colocá-lo em prática.

O formato do container “engessa” a obra, e por isso, é difícil modificar a estrutura da casa quando ela já está pronta. “Modificar muito o container acaba tornando a obra mais cara que alvenaria. Por exemplo: a instalação de itens na parede, como ar condicionado, é relativamente definitiva por ser feita a partir de um recorte”, explica Michele Xavier.

Minha Casa Container explica o passo a passo de como começar este tipo de obra – que por mais que seja rápida (leva de 5 a 6 meses para ficar pronta), pode ser bem burocrática:

Etapas

1. A escolha do terreno

O terreno deve ser, de preferência, plano. Não é uma obrigatoriedade, mas facilita bastante o processo de construção da casa e diminui os custos da obra.

A localização também é de extrema importância: lembre-se de que os seus containers serão levados até o local por um guindaste, então há de se considerar o tamanho da rua, a extensão e altura da fiação etc.

2. Escolher o tipo de container

Nem todos podem ser utilizados para a construção. Containers que já serviram para o transporte de materiais tóxicos, por exemplo, estão completamente descartados – mesmo que tenham sido higienizados.

Isolá-los termicamente também é crucial, visto que o ambiente pode ficar muito quente ou muito frio.

O tamanho deve ser levado em conta – é importante verificar a altura mínima exigida em sua Prefeitura para aprovação de um projeto.

Os preços variam bastante: isso porque você pode comprar os containers da forma mais rústica possível e adaptá-los para a construção ou comprar os que já estejam prontos para a moradia.

Os de 14 m², que funcionam como quarto, cozinha e banheiro, já com isolamento térmico, saem por volta de R$ 15 a 17 mil. Os mais simples, saem por cerca de R$ 5 a 6 mil.

Contudo, os recortes necessários, feitos por profissionais especializados, podem sair por até R$ 4 mil – valor por unidade.

Deve-se considerar o gasto com o transporte também. Levando em conta que a maioria dos containers vem dos portos, a cada 100 km rodados, o comprador pagará cerca de R$ 300 a 400.

3. Procurar um arquiteto

Após a escolha do terreno e dos materiais, o projeto deverá ser definido, e não são todos os arquitetos que possuem especialidade na área de construção com containers.

É importante escolher um profissional que saiba explorar e aproveitar todas as potencialidades que o material oferece.

Com o projeto em mãos, falta a aprovação da prefeitura, o que pode ser o maior entrave da obra. Essa etapa pode levar algumas semanas ou até meses, variando de município para município.

4. Fazer o registro imobiliário

Ao contrário de um trailer, a sua casa de container não será “móvel”. Por mais que ela seja deslocável, essa não é a proposta da construção. Assim, como qualquer outra edificação, ela deve ter o registro.

Publicado em Exame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Social Widgets powered by AB-WebLog.com.