Os 3 últimos anos foram os mais quentes já registrados

Os três últimos anos foram os mais quentes registrados até hoje, e o ritmo do aquecimento global constatado durante este período foi “excepcional”, advertiu a ONU.

“Já foi confirmado que os anos 2015, 2016 e 2017, que se inscrevem claramente na tendência do aquecimento a longo prazo provocado pelo aumento das concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa, são os três anos mais quentes registrados até agora”, anunciou a Organização Meteorológica Mundial (OMM), uma agência especializada da ONU.

Sob o efeito de um potente El Niño –fenômeno que a cada período de entre três e sete anos afeta as temperaturas, as correntes marinhas e as precipitações–, 2016 se encontra no topo da lista, com 1,2°C mais que na época pré-industrial, enquanto 2017 alcançou o recorde de ano mais quente até a data sem que tivesse incidência do El Niño.

A ONU utiliza o período 1880-1900 como referência para as condições existentes na era pré-industrial.

Segundo os últimos dados, a OMM constatou que a temperatura média na superfície do globo em 2017 e 2015 ultrapassou em 1,1°C a da época pré-industrial.

Os especialistas indicam que não é possível desempatar estes dois anos, dado que a diferença de temperatura é inferior a um centésimo de grau, ou seja, menor que a margem de erro estatística.

Segundo o secretário-geral da OMM, o finlandês Petteri Taalas, “17 dos 18 anos mais quentes pertencem ao século 21, e o ritmo de aquecimento constatado nestes três últimos anos é excepcional”.

“O último esteve particularmente marcado no Ártico, o que terá repercussões duradouras e de grande amplitude sobre o nível do mar e os regimes meteorológicos nas outras regiões do mundo.”

“A temperatura recorde deveria atrair a atenção dos dirigentes mundiais, incluindo o presidente americano, [Donald] Trump, sobre a amplitude e a urgência dos riscos que as mudanças climáticas fazem a população sofrer, tanto ricos como pobres, no mundo”, estimou Bob Ward, do Grantham Research Institute on Climate Change de Londres.

GRANDES CATÁSTROFES NATURAIS

Trump, cético sobre a realidade das mudanças climáticas, anunciou em 2017 a retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris sobre o clima, estimando que este destruirá empregos industriais.

Com o Acordo de Paris, em 2015, a comunidade internacional se comprometeu a limitar o aquecimento a 2°C.

“Com a tendência atual de aquecimento, pode-se prever que até 2060 ou 2070 se poderia alcançar esse limite”, declarou à imprensa em Genebra Omar Baddour, coordenador científico na OMM.

Mas se não houver cortes nas emissões de gases de efeito estufa, este limite poderia ser alcançado muito antes.

O aquecimento global é apenas uma das consequências das mudanças climáticas. O calor de 2017 esteve acompanhado de várias catástrofes naturais.

“Foi o ano mais caro para os Estados Unidos em termos de catástrofes meteorológicas e climáticas, enquanto em outros países os ciclones tropicais, a seca e as inundações provocaram desaceleração e até mesmo regressão econômica”, segundo Taalas.

A ONU utilizou particularmente dados oferecidos pela Agência Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (Noaa), da Nasa, do Centre Hadley do Serviço meteorológico britânico, do Centro Europeu para as Previsões Meteorológicas no Médio Prazo (CEPMMT) e do Serviço Meteorológico japonês.

Publicado em Folha de SP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Social Widgets powered by AB-WebLog.com.