Mudanças climáticas podem intensificar os rios voadores

Um novo estudo liderado pela Nasa mostra que a mudança climática provavelmente intensificará os chamados rios voadores, “cursos de água atmosféricos” formados por massas de ar carregadas de vapor de água, na maior parte do globo até o final deste século, ao mesmo tempo que reduzirá “ligeiramente” seu número.

Publicado na revista Geophysical Research Letters, o estudo projeta que, mantido o ritmo atual de emissões de gases efeito estufa, haverá cerca de 10% menos rios atmosféricos globalmente até o final do século 21.

Por outro lado, eles serão em média 25% mais largos e mais longos, e o mais preocupante: as condições atmosféricas associadas aos rios voadores, como fortes chuvas e ventos, aumentarão em cerca de 50%.

O estudo também alerta para o aumento da frequência de tempestades atmosféricas mais intensas, que deve duplicar.

Em geral, os rios voadores têm de 400 a 600 quilômetros de largura e transportam tanta água (na forma de vapor de água) quanto cerca de 25 rios do americano Mississippi.

Quando um rio atmosférico se precipita contra o terreno montanhoso (como a Sierra Nevada e os Andes), libera muito daquele vapor de água na forma de chuva ou neve.

Em muitas áreas da Terra, eles trazem uma contribuição importante para o abastecimento anual de água doce. No entanto, rios atmosféricos mais fortes podem causar enchentes severas, gerando prejuízos à região afetada.

Publicado em Exame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Social Widgets powered by AB-WebLog.com.